Home | Institucional | Clientes | Releases | Artigos | Produtos e Serviços | Contato

 Release
22/03/2017
Mulher e intestino: uma relação delicada

*Celina Hiramatsu

Apesar de as mulheres não serem mais suscetíveis a desenvolver doenças do que os homens, é consenso que a saúde feminina tem períodos mais frágeis que merecem atenção especial. Durante a fase reprodutiva, devemos estar atentas para prevenir o câncer de colo de útero, as infecções urinárias e ginecológicas. Na etapa do climatério, estamos mais suscetíveis à osteoporose, sarcopenia e câncer de mama. Além disso, algumas doenças estão muito relacionadas à população feminina, como a depressão, a fibromialgia e as enfermidades autoimunes. No entanto, o estresse e a falta de atividade física, aliados à má alimentação e à constipação intestinal – muitas vezes provocada pela dificuldade de evacuar fora de casa, reclamação comum entre as mulheres – levam a outro problema importante: a disbiose intestinal.

Um dos motivos de a disbiose atingir mais as mulheres é a própria anatomia do corpo feminino: o intestino é um órgão muito extenso e está muito próximo dos órgãos genitais. A mulher também é mais sensível e, dependendo da emoção e dos conflitos, poderá ter mais ou menos repercussões em nível corporal, em especial na função intestinal. Outro problema é a dificuldade para evacuar fora de casa ou em um ambiente desconhecido, o que faz com que muitas mulheres inibam o movimento peristáltico natural do organismo. De tanto fazer esse movimento contrário, o intestino pode tornar-se ‘preguiçoso’ e não funcionar regularmente como deveria.

O intestino possui a maior superfície de mucosas do organismo, com funções específicas para absorção de nutrientes e para proteger o sistema imunológico. A microbiota intestinal é composta por cerca de 100 trilhões de bactérias, de mais de 1000 espécies, que convivem em harmonia e equilíbrio. Entretanto, estresse, alimentação inadequada e uso frequente de antibióticos podem afetar os microrganismos bons, deixando que os patogênicos proliferem. Com essa microflora anormal, toda função digestiva será prejudicada e, a partir daí, podem surgir doenças localizadas e sistêmicas, além de infecções de repetição como a candidíase, uma das principais queixas das mulheres nos consultórios de ginecologia. E a mulher sofre mais com a cândida exatamente por causa da conexão intestino/genital.

Os alimentos com probióticos – como os leites fermentados da Yakult com o exclusivo Lactobacillus casei Shirota – podem auxiliar as mulheres a ter uma relação menos conflituosa com o intestino e, consequentemente, menos risco de desenvolver infecções oportunistas. Esses seres microscópicos e benéficos presentes nos alimentos com probióticos são capazes de atravessar a barreira do estômago, sobreviver à ação da bile e chegar vivos ao intestino, ajudando a restabelecer o equilíbrio da microbiota graças à produção de ácido lático, que age de maneira estimulante sobre o peristaltismo.

Com isso, o organismo regulariza o trânsito intestinal e há uma melhora da constipação e da flatulência, problemas comuns entre a população feminina. Com a melhora do movimento peristáltico também há a eliminação de toxinas que costumam causar dores de cabeça, mal-estar, constipação, distensão abdominal e enxaqueca. Os lactobacilos probióticos têm a capacidade de digerir a lactose, controlando o desencadeamento de reações, como a intolerância à lactose. Além disso, alguns estudos indicam que os probióticos auxiliam no aumento da absorção de minerais como cálcio, magnésio e zinco, e promovem um sensível aumento de produção de ácido fólico e vitamina B12. Com isso, pele, unhas e cabelos ficam mais bonitos.

Para ter um intestino saudável é preciso estabelecer uma alimentação equilibrada. Uma sugestão é evitar a ingestão de muita carne, especialmente a vermelha, porque é um alimento que demora a ser digerido, principalmente em intestinos constipados. Também é fundamental ter uma alimentação rica em fibras, grãos, frutas, verduras e legumes, mastigação correta e boa ingestão de água, aliadas à prática regular de exercícios físicos e hábitos de vida saudáveis.

E se a saúde da mulher é diferente, as necessidades do organismo feminino também são. Por isso, a Yakult desenvolveu um produto que tem o objetivo de auxiliar na tarefa de repor todos os nutrientes perdidos no dia a dia. O Hiline F contém vitamina A, que ajuda na manutenção da saúde do corpo e da pele; vitamina C, responsável pelo aumento da resistência a gripes e infecções, além de ajudar na absorção do cálcio; e vitamina E, um antioxidante que retarda o envelhecimento precoce.

A bebida também é rica em ferro, essencial para o transporte de oxigênio no sangue e no combate à anemia; contém fibras, que ajudam no bom funcionamento do intestino; e oligossacarídeos, um conjunto de diferentes tipos de carboidratos combinados que são consumidos pelos microrganismos benéficos do organismo e favorecem a absorção dos alimentos. O Hiline F deve ser ingerido diariamente para que sua ação benéfica favoreça o organismo feminino.

*Celina Hiramatsu é nutricionista da Yakult do Brasil



Mais informações à imprensa:
Assessoria de Imprensa Yakult
Adenilde Bringel - (11) 4432-4000
assessoriayakult@companhiadeimprensa.com.br
adbringel@companhiadeimprensa.com.br

 Buscar release:
   
 Perfil da empresa

A Yakult é a precursora no segmento de alimentos com probióticos no mundo, com o Leite Fermentado comLactobacillus casei Shirota, lançado em 1935 no Japão e em 1968 no Brasil. A empresa possui um Complexo Fabril na cidade de Lorena, no Vale do Paraíba, onde mantém a produção de todo o portfólio disponível no Brasil.

Em Lorena, a Yakult produz o Leite Fermentado Yakult, o Yakult 40 e o Yakult 40 light, a sobremesa láctea fermentada Sofyl – os quatro com o exclusivo Lactobacillus casei Shirota –, o Suco de Maçã, o alimento com extrato de soja Tonyu, a bebida láctea combinada com suco de frutas Yodel e os alimentos adicionados com nutrientes essenciais direcionados ao público feminino e masculino Hiline F e Taffman-EX, respectivamente.

A empresa foi fundada no Japão em 1935 pelo médico e pesquisador Minoru Shirota que, após anos de pesquisas, conseguiu isolar uma cepa do intestino humano classificada posteriormente como Lactobacillus casei Shirota. A cepa deu origem a um leite fermentado contendo microrganismos probióticos capazes de regularizar a microbiota intestinal e que é, até hoje, o carro-chefe da empresa.

A matriz japonesa da Yakult completa 82 anos em 2017. Desde o início de suas atividades, em 1935, quando o médico Minoru Shirota criou o Leite Fermentado com o exclusivo Lactobacillus casei Shirota, a empresa sempre teve grande preocupação em desenvolver alimentos que pudessem beneficiar a saúde das pessoas. Por isso, mantém o Instituto Central Yakult, em Tóquio, no Japão, que realiza inúmeros estudos relacionados ao intestino humano.

A Yakult está presente em 37 países e regiões, além do Japão (incluindo escritórios de representação), e possui 35 mil comerciantes autônomas no Japão (conhecidas como Yakult Ladies) e 45 mil em 12 outros países. No mundo, mais de 37 milhões de pessoas consomem Leite Fermentado Yakult com Lactobacillus casei Shirota diariamente. A fábrica brasileira, localizada em Lorena, produz média de 2 milhões de frascos de Leite Fermentado Yakult com Lactobacillus casei Shirota por dia e é uma das mais modernas da companhia no mundo.

Divisão Assessoria de Imprensa • Rua Álvares de Azevedo, 210 • Cj. 41 • Santo André • SP • Fone/Fax (11) 4435-0000
Divisão Publicações • Rua Álvares de Azevedo, 210 • Cj. 61 • Centro • Santo André • SP • Fone (11) 4432-4000 • Fax (11) 4990-8308