Home | Institucional | Clientes | Releases | Artigos | Produtos e Serviços | Contato

 Release
24/11/2015
ARTIGO - De Volta ao Futuro

Por Mauro C. Andreassa

Segundo o Dicionário Houaiss, a palavra crise é, em medicina, “o momento que define a evolução de uma doença para a cura ou para a morte” ou de “dor paroxística, com distúrbio funcional em um órgão”.

Em economia, é “a fase de transição entre um surto de prosperidade e outro de depressão, ou vice-versa”.

Para a educação, prefiro ficar com a definição da medicina e tratar isto como uma doença que evolui, evidentemente com otimismo, para a cura.

A queda do PIB e outros indicadores econômicos geram um movimento que definirá a evolução da educação em engenharia. O momento não ofusca o que temos pela frente na indústria automobilística.

Vou citar dois dos mais excitantes desafios: o primeiro, os carros autônomos e mais seguros através de uma coleção de sensores e softwares. O outro, a necessidade de se reduzir os níveis de emissões de CO2.

Nem mesmo precisamos da antiga motivação que era o desaparecimento do combustível fóssil da face da terra. Pudera. Com o custo do barril de petróleo a meros U$ 48 descobrimos que ainda temos muito petróleo. Mas precisamos de carros elétricos e híbridos para nos tornarmos verdes e, portanto, uma parafernália de tecnologia de baterias, células, nanotecnologia e softwares para gerenciar tudo isso.

Para os carros sem motorista e que tampouco necessitam de gasolina, a inteligência artificial não é mais ficção. Decididamente as máquinas estão aprendendo a aprender e tomando decisões. O estudo das redes neurais permite que uma máquina se comporte como os neurônios humanos, onde informações fluem de uma célula à outra dando peso às sinapses de forma iterativa e gerando o que chamamos de aprendizado.

Então, leitor, atenção: vivemos duas crises, uma da economia e outra da educação. Não podemos deixar que a economia venha ofuscar o caminho para a cura da doença da educação no Brasil, que vem desde os tempos coloniais permeando todos os níveis da sociedade e alcançando até a engenharia.

E a cura consiste no seguinte tratamento: lançar-se neste admirável mundo novo, em busca de conhecimento visceral aliado a uma atitude desbravadora. Vejo um mundo onde empresas e profissionais aprendem a esquecer dos antigos paradigmas e abrem cérebros e corações para os novos tempos.

Cérebros para a robótica, inteligência artificial, redes neurais, nanotecnologia, biochips. Diga-se que sólidos conhecimentos de conceitos da física, química e biologia são mandatórios. Não se sabe qual será a próxima inovação e por isso devemos ter pilares muito firmes na areia movediça que é a inovação, sob pena de nos afundarmos na lama da mesmice. Corações para os estudantes de engenharia e empreendedores, que devem ter uma nova atitude frente às mudanças.

A inteligência artificial bebe da fonte da psicologia cognitiva, uma ciência humana, apenas para citar um exemplo. Portanto, ciências exatas e humanas jamais voltarão a ter contornos tão bem definidos aos moldes clássicos.

Para desespero do pensamento conservador, os tentáculos das ciências exatas e das ciências humanas já se entrelaçam. Provavelmente os estudantes que estão frequentando nossos vestibulares hoje terão a disposição, quando formados, tecnologias ainda não totalmente desenvolvidas ou quem sabe até sequer imaginadas no mundo de hoje.

Não há certeza de nada. E isto torna o mundo muito emocionante. Melhor que qualquer ficção científica.

Mauro Andreassa é membro do Comitê Educação de Engenharia do Congresso SAE BRASIL, South America STA Senior Manager Site da Ford, e professor no Instituto Mauá de Tecnologia




Mais informações à imprensa:
Companhia de Imprensa
Maria do Socorro Diogo - msdiogo@companhiadeimprensa.com.br
Susete Davi - susete@companhiadeimprensa.com.br
Telefones (11) 4435-0000 – 94984-9581

 Buscar release:
   
 Perfil da empresa

A SAE BRASIL é uma associação sem fins lucrativos que congrega engenheiros, técnicos e executivos unidos pela missão comum de disseminar técnicas e conhecimentos relativos à tecnologia da mobilidade em suas variadas formas: terrestre, marítima e aeroespacial.
A SAE BRASIL foi fundada em 1991 por executivos dos segmentos automotivo e aeroespacial, conscientes da necessidade de se abrir as fronteiras do conhecimento para os profissionais brasileiros da mobilidade, em face da integração do País ao processo de globalização da economia, ora em seu início, naquele período. Desde então a SAE BRASIL tem experimentado extraordinário crescimento, totalizando mais de 6 mil associados e 10 seções regionais distribuídas desde o Nordeste até o extremo Sul do Brasil, constituindo-se hoje na mais importante sociedade de engenharia da mobilidade do País.
A SAE BRASIL é filiada à SAE INTERNATIONAL, associação com os mesmos fins e objetivos, fundada em 1905, nos EUA, por líderes de grande visão da indústria automotiva e da então nascente indústria aeronáutica, dentre os quais se destacam Henry Ford, Orville Wright e Thomas Edison, e tem se constituído, ao longo de mais de um século de existência, em uma das principais fontes de normas, padrões e conhecimento relativos aos setores automotivo e aeroespacial em todo o mundo, com mais de 35 mil normas geradas e mais de 138 mil sócios distribuídos por cerca de 100 países.

Divisão Assessoria de Imprensa • Rua Álvares de Azevedo, 210 • Cj. 41 • Santo André • SP • Fone/Fax (11) 4435-0000
Divisão Publicações • Rua Álvares de Azevedo, 210 • Cj. 61 • Centro • Santo André • SP • Fone (11) 4432-4000 • Fax (11) 4990-8308